Página Interna

Turismo nacional deve encerrar 2021 com aumento de 16% e faturamento de R$ 130 bilhões

Os segmentos que registraram os resultados mais expressivos, a partir do mês de abril deste ano, foram os de transporte aéreo, com alta anual de 83,9%; e serviços de alojamento e alimentação, que teve elevação de 61,9%. Os dados são do levantamento do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio/SP).

Segundo dados da pesquisa, a demanda dos passageiros aéreos atingiu nível superior a seis milhões em julho, mantendo-se no mesmo nível nos meses seguintes. Até junho esses números estavam menores do que cinco milhões de pessoas. A perspectiva da Fecomércio é a de que o transporte aéreo encerre o ano com faturamento de R$ 37,8 bilhões, o que representa um crescimento anual de 30,5%.

O transporte rodoviário (intermunicipal, interestadual e internacional), que apresentou quedas relativamente modestas no início do ano, deve encerrar 2021 com alta de 9% e faturamento de R$ 17,7 bilhões (5,1% abaixo do patamar de 2019). Para o transporte aquaviário, a projeção de alta é 8,4% (R$ 467 milhões em valores absolutos).

Para o grupo de locação de veículos, agência e operadoras de turismo, a expectativa é de um aumento no faturamento de 4,2%, chegando a R$ 29 bilhões. Na comparação com 2019, o nível ainda é 8,5% abaixo do obtido. Embora negativo, é um dos resultados relativos mais favoráveis entre os setores analisados pelo levantamento. O último trimestre deve registrar um ritmo de crescimento de 7%.

Os dados indicam ainda que o grupo de alimentação e alojamento deve registrar alta de 15,9%, com faturamento de R$ 25 bilhões, um quadro ainda negativo quando comparado ao ano de 2019, quando a alta foi de 26%. Para as atividades culturais, recreativas e esportivas, a projeção para a segunda metade do ano é aumento de 11,7%, encerrando 2021 com alta de 1,9%. No primeiro semestre de 2021 houve queda de 7,4% nesse grupo.

Topo Logo

Apoio e patrocinio