Página Interna

Empresa cearense do setor têxtil é destaque em encontros de negócios para exportação

Nas primeiras rodadas de negócios de 2022, 12 empresas geraram mais de R$1 milhão em exportações. Foto: Divulgação/FIEC.

Em abril, aconteceram as primeiras rodadas de negócios entre micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras e compradores internacionais de 2022, promovidas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os eventos marcaram o retorno das imersões presenciais para pesquisa de mercado e negociações após a pandemia.

Ao todo, 63 MPEs do setor têxtil participaram dos encontros, e dessas, 12 fecharam negócios e geraram mais de R$1 milhão em exportações de artigos de vestuário e acessórios brasileiros para países como Alemanha, Argentina, Bolívia, Equador, Israel, Itália, Paraguai, Reino Unido e Venezuela.

Uma das empresas que teve sucesso nas negociações, e que recebeu destaque da própria CNI, é a Vila Sol. A marca de moda praia cearense participou das rodadas do Encontro Internacional de Negócios Virtuais de Moda, realizado em parceria com o Sebrae, em formato on-line.

A empresa, criada em 2006, em Fortaleza, já exportava para sete países – EUA, Itália, Portugal, França, Cabo Verde, Angola, Bolívia -, mas essa foi a primeira vez que contou com o apoio da CNI, por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC).

“Tivemos todo um preparo antes com o técnico, que nos passou todas as informações referentes ao processo de negociações para a exportação. O conhecimento que adquirimos com ele foi fundamental. Apesar das barreiras da língua, tivemos ajuda de um intérprete e saímos com um novo cliente”, conta Luciana Pequeno, gerente comercial da marca cearense.

A empresa atualmente possui 48 funcionários distribuídos nas lojas do Ceará, de São Paulo e na fábrica. As peças que chamam atenção por manter a “brasilidade” em todas as peças, como diz Luciana, já são comercializadas por todo Brasil, e a meta da equipe é conquistar o comércio exterior.

“Queremos participar de novas rodadas e fechar cada vez mais negócios com compradores internacionais. Também pegamos os contatos de potenciais clientes para futuras negociações. Esse tipo de evento nos dá confiança para querer conhecer mais países”, relata Luciana sobre os planos para o futuro da empresa.

A estimativa, segundo a Rede CIN, é que ainda sejam gerados mais de R$28 milhões para o setor têxtil e de confecção nos próximos meses. As ações são promovidas em parceria com a Apex-Brasil e o Sebrae.

Topo Logo

Apoio e patrocinio