Página Interna

Composto contra câncer colorretal desenvolvido com nanotecnologia é patenteado pela UFC

Composto inovador já é a 30ª patente da Universidade Federal do Ceará. Foto: Divulgação/Agência UFC.

Pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal do Ceará (UFC) conseguiram desenvolver um composto inovador a partir do ácido betulínico que poderá vir a ser utilizado no tratamento do câncer colorretal, o 3º tipo mais comum no Brasil.

A inovação já recebeu o registro de patente, tornando-se a 30ª da UFC. Apesar de nascida em 1954, a UFC obteve a primeira carta patente de sua história somente 65 anos depois, em meados de 2019. Desde então, o que se seguiu na mais antiga universidade cearense foi um “tsunami inovador”.

Nos testes in vitro (realizados fora do organismo vivo, com células ou tecidos), o ácido betulínico sempre despontou como um fármaco promissor na luta contra o câncer por possuir atividade antitumoral seletiva – ou seja, ataca prioritariamente as células cancerosas, afetando pouco as sadias.

Apesar disso, os pesquisadores tinham dificuldade para realizar testes em seres vivos porque a substância é pouco solúvel em água, o que dificulta sua absorção pelo organismo. Utilizando nanotecnologia, os pesquisadores da UFC conseguiram superar esse problema criando uma nanoemulsão estável, que pode ser dispersa na água.

Com o composto, os pesquisadores desenvolveram sua aplicação em um supositório retal. A opção pelo supositório se deu por possibilitar a atuação do composto mais próximo do local do tumor.

Os pesquisadores alertam que, apesar de já terem obtido patente com a inovação, a substância ainda deve ser submetida aos testes pré-clínicos e clínicos (em humanos), que são os passos seguintes para que esse composto de ácido betulínico possa vir a ser usado como medicamento no combate ao câncer.

“Nossa expectativa é de que não haja reações adversas devido a sua seletividade antitumoral e pela liberação controlada in vitro comprovada em nossos testes”, explica a Profª Nágila Ricardo, orientadora da pesquisa que deu origem à patente.

Topo Logo

Apoio e patrocinio