Página Interna

Corrida pela vida: conheça a história inspiradora da paratleta recordista Fah Fonseca

213 medalhas. Essa é a quantidade de conquistas realizadas pela paratleta Fah Fonseca que viu o esporte transformar sua vida em um passe de mágica. Enquanto na adolescência a escuridão tomou conta dos seus sonhos pela falta de perspectiva de crescimento e o medo de não levar uma vida “normal”, a vida adulta foi surpreendida pela chegada do esporte que trouxe luz para sua rotina e mostrou que a deficiência nunca foi obstáculo para quem tem desejo de viver. Hoje, sendo recordista brasileira por 24 vezes na modalidade corrida de rua, Fah Fonseca exala inspiração com sua história. 

Na corrida pela vida e no princípio dessa jornada, Fah lembra que encontrou pontos de apoio para chegar no seu objetivo principal. “Como eu não tinha cadeira de rodas de uso no cotidiano na minha adolescência, meus parentes me levavam à escola no varão da bicicleta até a sala de aula e ali eu ficava até o final da aula. Não conseguia fazer muitas amizades, pouco me relacionava com outras pessoas da minha idade, minha vida se baseava apenas em ir para escola e voltar para casa. Vendo a minha situação com 17 anos de idade, principalmente psicológica, minha tia, a quem sou grata até hoje, foi em busca de um atendimento pra mim no Centro de Reabilitação Hospital Sarah Kubitschek. Naquele momento, senti a transformação em minha vida”, disse Fah Fonseca em entrevista exclusiva ao Conexão 085. 

A história com o esporte começou no Hospital Sarah Kubitschek quando completou 19 anos e dali em diante Fah conheceu todas as sensações que o esporte pode causar em um atleta. “Eu comecei no basquete, mas após um ano arrisquei no atletismo e sou literalmente apaixonada até hoje. Desde 2009 eu entrei no Alto Rendimento e então foram muitos títulos alcançados. Já quebrei a cara, como todo mundo na vida, já fiquei feliz, triste, decepcionada, orgulhosa… Vivi todas as sensações possíveis que só o esporte nos possibilita sentir”, ressalta. 

Quando questionada qual foi sua principal conquista até aqui, mesmo com tantos prêmios acumulados e maratonas em outros países como Japão, o que faz o coração de Fah Fonseca bater mais forte é lembrar da abertura dos jogos paralímpicos no seu país. “Foi nos Jogos Paralímpicos RIO2016 que me emocionei, onde vi o Maracanã lotado, diversas pessoas do mundo inteiro me aplaudindo e reconhecendo o seu meu valor como atleta. Foi surreal e indescritível. Naquele momento caiu a ficha de todas as conquistas que obtive até aqui e de todas as batalhas que enfrentei até que chegasse aquele momento”, lembra com alegria. 

Dentre os prêmios que o esporte trouxe, um deles tem um significado ainda mais especial. Seu marido Mateus Pessoa faz toda essa jornada ser mais leve e exitosa. “Costumo dizer que ele é as minhas pernas e os meus braços, porque é ele quem segura as pontas quando preciso fazer uma viagem para competir. Ele é  meu dia a dia e tê-lo presente na minha rotina diariamente é também o que me dá forças para seguir em frente”, disse Fah.

A paratleta também tem em si muitas projeções para o futuro e uma delas é envelhecer praticando o esporte que ama nessa corrida pela vida. Fah Fonseca também deixou um recado para inspirar o dia de quem estiver lendo essa matéria. “Não desista, se for preciso pedir ajuda, peça. Eu tive que passar por experiências bem desagradáveis para que os meus familiares pudessem recorrer ao Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek. Não adianta guardar pra si tudo o que está sentindo, procure ajuda que eu tenho certeza que sua vida irá mudar grandiosamente”, finalizou.

Apoio e patrocinio